encontramos talentos, entregamos artistas

Agência de Músicos

Por que somos?

Pois acreditamos na empregabilidade ao construir profissionais dedicados a pessoas com equilibrio emocional alcançando razão sensorial.

O que encontramos?

Bandas, duetos, mini orquestras, cantores, duplas sertanejas, grupos de pagode e samba,atrações para shows e eventos!

O que oferecemos?

Produção artística, cultural e social, seleção de acordo com sua pesquisa, mão de obra especializada, infra-estrutura para shows e eventos!

Educação musical
Workshops e palestras
Capitais atendidas
RJ, SP, MG
Casamentos e aniversários
Personaliados
Eventos corporativos
Treinamento de funcionários + festas de fim de ano
Atrações musicais
329 cadastros ativos
Produção artística
Foto + áudio + video + internet
previous arrow
next arrow
Shadow
Slider

São muitos os tipos de eventos corporativos que mesmo com muito estudo, fica difícil saber exatamente em que  e onde eles se diferenciam. Contudo suas características, objetivos e por que optar por cada um deles incluem atividades de entretenimento.

Essa “nova estratégia” contribui significativamente para o resultado final, melhorando a concentração dos participantes, a retenção de conhecimento e a aproximação das marcas com seus públicos. Estamos prontos para eles:

  1. Congressos

  2. Convenções

  3. Seminários

  4. Workshops e oficinas

  5. Roadshows (eventos on the road)

  6. Simpósios

  7. Mesa-redonda

  8. Feiras

  9. Treinamentos e cursos

  10. Palestras

  11. Conferências

Apesar do mau momento, alguns empresários seguem otimistas. É o caso de Marco Tobal Júnior, sócio do Grupo São Paulo, dono do Villa Country, uma das principais boates de São Paulo. Especializada em música sertaneja e com rotatividade de nove mil pessoas por semana, a crise passou longe do grupo, que ainda detém espaços para shows e festas.

O que percebemos foi a mudança comportamental do cliente, diz Tobal! Antes não se preocupavam com a saída emergência e nem pensavam em táxi.

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição não pode cobrar direitos autorais de músicas tocadas em motéis. A decisão foi estabelecida pela 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo. O colegiado entendeu que não se pode comparar motéis e hotéis a espaços públicos.

A turma julgadora considerou que “os serviços de televisão e radiodifusão nos quartos de hotel e/ou motel não podem ser equiparados à sonorização em local público”. O desembargador Mathias Coltro relatou o caso. Também participaram do julgamento os desembargadores Erickson Gavazza Marques e J.L. Mônaco da Silva. A votação foi unânime.

“O sistema de televisão disponibilizado pelo réu, nos quartos, é daqueles por assinatura, de modo que as emissoras e redes de televisão já recolhem os valores devidos a título de direitos autorais ao Ecad”, afirmou o desembargador Mathias Coltro.

O Ecad pediu ao TJ-SP a suspensão da execução de obras musicais nos aposentos de um motel, sob pena de multa diária e apreensão dos aparelhos sonoros, bem como pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 49,8 mil.

Em nota, o órgão diz que a decisão é contrária à jurisprudência sobre o tema: “Está assegurado pelo STJ o direito do Ecad de realizar a cobrança em hotéis e motéis que disponibilizam música em seus aposentos”. Afirma ainda que a música disponibilizada nos quartos “é um atributo importante para o maior conforto dos clientes, agregando valor ao negócio, portanto, é justa a retribuição aos criadores”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

Apelação 1019302-57.2016.8.26.0577

*Texto alterado às 13h01 do dia 9/5/2018 para acréscimo de informações.

Happy hour (em português: hora feliz) é o nome dado à comemoração informal, feita geralmente por colegas de estudo e trabalho, após a execução de alguma tarefa ou ao fim de um expediente. Tais comemorações são comuns em várias partes do mundo e em grandes cidades no Brasil e em Portugal.

Em geral, os pontos de encontro são bares e restaurantes, sendo comum o consumo de petiscos e bebidas alcoólicas(notadamente, a cerveja). Em certos casos, o estabelecimento comercial oferece música ao vivo, criando um ambiente bem aconchegante para os encontros.

Alguns estabelecimentos oferecem promoções com descontos para o consumo de bebidas alcoólicas e/ou outros alimentos, no horário correspondente ao final do expediente (entre 16:00 e 19:00, por exemplo).

Happy hour é uma expressão em inglês cuja tradução literal é “hora feliz” e consiste em uma estratégia de marketing onde durante um determinado período de tempo as bebidas são vendidas com um preço mais baixo.

happy hour surgiu nos Estados Unidos e se espalhou para outros países, como o Brasil, e é bastante comum em bares e restaurantes, que fazem promoções, permitindo que os clientes ganhem bebidas de graça ou tenham descontos em bebidas e cocktails. Muitas vezes também são oferecidos diversos petiscos.

Este evento costuma ser organizado com o objetivo de aliviar o stress, juntando pessoas que acabam o seu dia de trabalho e se juntam para conviver. O horário da happy hour varia de acordo com o estabelecimento comercial. Apesar de o nome ser happy hour, não significa que a duração seja apenas de uma hora, sendo que alguns happy hours podem durar mais de uma hora.

Em vários países, cidades e estados (Irlanda, Glasgow, Utah) foram instituídas leis que proíbem a organização da Happy Hour, com o fundamento que as happy hours encorajam um comportamento perigoso para a saúde. No entanto, em Junho de 2012 a happy hour foi legalizada no estado do Kansas dos Estados Unidos, depois de um banimento de 26 anos.

A despeito da crise, o mercado de festas vai muito bem. Em 2016, os brasileiros desembolsaram 17 bilhões de reais com eventos sociais, segundo dados do Instituto Locomotiva para a Associação Brasileira de Eventos (Abrafesta). A quantidade de casamentos está em ascensão desde 2013, passando de 1 milhão ao ano, e os gastos com a cerimônia aumentam, em média, 10,4% ao ano. De 2013 a 2016, o crescimento foi de 25%.

Só na cidade de São Paulo, 74 mil casamentos movimentaram 1,4 bilhão de reais em 2016. No estado, esse total chegou a 4,9 bilhões de reais. “Quem ofereceu bons serviços conseguiu crescer de 10% a 30% nos últimos anos”, afirma Ricardo Dias, presidente da Abrafesta

Embora competitivo, o segmento continua atraindo empreendedores. Para Marcus Quintella, coordenador do MBA Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios, da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro (FGV/RJ), o mercado de festas é um modelo de concorrência perfeita, porque há muita demanda e oferta elevada. Por isso, quem quer entrar no ramo deve ter um bom plano de negócios para definir o tamanho e o nível de especialização da empresa. “É uma área que não admite erros e requer planejamento de longo prazo, além de paciência para maturar o cliente”, diz Quintella.

A alma de uma noite perfeita

Enquanto o sol se põe no horizonte e as atividades diurnas acabam, as áreas públicas de um navio são preenchidas por todo tipo de música. Oferecendo uma maior variedade em opções para agradar a todos os gostos, os músicos a bordo vão ajudar a criar a trilha sonora da noite!

Música para todos os gostos tais como:

Orquestras que tocam diversos estilos, desde músicas de bailes a músicas dos anos 70.

Piano bar com pianistas, guitarristas e cantores, que tocam músicas internacionais e músicas pop modernas.

Piano e músicos que tocam músicas clássicas, operas e músicas do cinema.

Swing bands tocam músicas dos anos 40 e 50.

Neapolitan folk music com guitarras, mandolins e música.

Bandas latino americanas

Banda de Jazz para gostos refinados

Recitais de piano

Música country

Concertos de piano e violino no Teatro.

Música Schlager alemã

Músicas de todo o mundo com músicos árabe, gregos, mexicanos e turcos, tocando músicas nacionais e internacionais.

Alguns cruzeiros possuem as músicas temáticas dos locais que você visitará, como o tango argentino, o axé, samba e forró do Brasil e o calypso e salsa de Cuba.

Música noturna e danças todas as noites na “balada”

Se preferir ligue pra gente: 11.3713.8383

Quer saber mais?