O cantor e compositor Thiago Mart tem trilhado seu caminho com naturalidade e personalidade desde cedo. Nascido na capital de São Paulo, ele sempre soube que a música estaria em sua vida. Aos 16 anos, ainda na escola, formou uma banda com amigos e a partir disso foi fazer aulas de canto e violão. Logo percebeu que não teria como viver longe desse universo, pois antes mesmo de entrar na fase adulta já fazia suas próprias composições. Depois de dois anos como vocalista da banda THIMY, que alcançou grande popularidade no interior de São Paulo, Thiago decidiu seguir novos caminhos.

Entrou em estúdio e produziu todas as canções do seu primeiro disco solo, “ÍNTIMO”. Segundo ele, um período extremamente ‘enriquecedor’: “Depois de fazer parte de várias bandas, chegou um momento em que eu queria entender tudo que envolvia minhas canções, da composição à produção, passando por todos os instrumentos. Me dispus a percorrer esse caminho solo e descobrir o máximo que eu pudesse. O álbum é o fruto desse processo de intenso aprendizado e reflete realmente o meu íntimo. Fala de coisas que eu vivi, ouvi, vi ou imaginei. Situações do dia-a-dia que muitas vezes a gente não conta pra ninguém, no máximo pra um melhor amigo ou amiga”.

Sobre o primeiro single “Platônico”, Thiago explicou: “Surgiu num dia de libertação pessoal, depois de uma fase complicada que passei. Todos os meus sentimentos de esperança, os encantamentos que eu gostaria de viver e as pessoas que eu queria conhecer foram parar dentro dessa música. Ela tem as características do disco sintetizadas ali, leveza, movimento, groove, um violão marcante e é gostosa de cantar. Além de falar de algo que muita gente já viveu. Por isso foi escolhida como meu carro-chefe. E sobre o clipe, acrescentou: “Daí veio a ideia de fazer o clipe no meu quarto, na minha casa, trazendo o tema da música e mostrando esse universo particular, onde a criação das canções do disco realmente aconteceu. A direção de vídeo é do Hugo Zucareli, que brilhantemente mostrou os caminhos de interpretação que eu poderia seguir.”

Thiago Mart tem consciência de que ainda há muito pela frente. Mas o garoto “sonhador”, que ganhou seu primeiro violão ainda na adolescência e passou a fazer apresentações especiais para a família e amigos, só podia mesmo virar um artista.